A insegurança das urnas eletrônicas brasileiras e a ditadura do TSE

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Quanto mais eu estudo sobre a segurança das urnas eletrônicas mais eu descubro que não há nenhuma confirmação real de que quem está no poder realmente ganhou honestamente as eleições.

Um professor da UnB comprova o que uma pequena parte dos computação já sabem a anos: a urna eletrônica e o processo eleitoral brasileiro são uma fraude completa.

É interessante observar nas falas do professor pontos interessantes:

  • Em cinco minutos o professor e sua equipe conseguiram pegar uma falha que é conhecidamente um problema e ensinado em cursos de graduação;
  • Há erros crassos de projeto na urna eletrônica;
  • Todas as urnas eletrônicas do Brasil utilizam a mesma chave criptográfica permitindo a uma pessoa que tenha a mesma na mão consiga recuperar todos os dados gravados;
  • E finalmente, a mais linda de todas. A chave é amazenada às claras no cartão. Ou seja, qualquer um que tenha conhecimento do local ou do início da chave no cartão pode além de modificar os dados do cartão recuperá-los para o que quiser.

Com esta pequena apresentação notamos que a medida tomada pelo Ministro Lewandowski é simplesmente um modo ditatorial de dizer que sim, nossas eleições são uma fraude completa.

De acordo com o mesmo qualquer candidato que entrar com uma ação de ilegitimidade dos resultados será multado e condenado a litigância de má-fé, já que o TSE entende que as urnas eletrônicas são totalmente seguras.

Levar a sério um Brasil como este e ainda acreditar que nossos governantes chegam ao poder de modo válido é o mesmo que querer acreditar até depois de velho na existência do Papai Noel.

De desculpe a quem acha que isto é teoria da conspiração. Não é. É algo que é comprovado a anos e anos e agora vem a público através de profissionais que gostariam de ver a coisa realmente funcionando de modo correto.

Ah, e parem com esta idéia de que o mundo não usa nossa urna e que temos o sistema mais seguro do planeta. O que faz com que todo o mundo não use nossa urna é sim sua insegurança.

Até o Paraguai, diga-se de passagem, reprovou nossa urna a algum tempo atrás.

Sobre ataliba

Analista de Sistemas com especialistas em Unix/Linux e Redes de Computadores aprendeu a gostar de segurança da informação durante sua atuação profissional e após uma Pós, se apaixonou por inteligência e ContraInteligência.